Mulheres lideram o ranking de casos de trombos

É muito importante entender a doença e conhecer os seus sintomas para realizar uma detecção a tempo de um tratamento adequado.

Exame_514X241

Mais da metade da população brasileira desconhece uma doença que levou 85.772 pessoas aos hospitais públicos do país entre janeiro de 2008 e agosto de 2010: o tromboembolismo venoso. Os dados são do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) e mostram que, apesar de 56% da população avaliada afirmar que já ouviu falar da trombose, 57% não conhecem os sintomas, consequências da doença e as suas medidas preventivas. A embolia pulmonar é ainda mais desconhecida. Das pessoas entrevistadas, 78% relatam não saber o que é a embolia pulmonar e, dentre essas, metade nunca ouviu falar.

É muito importante entender a doença e conhecer os seus sintomas para realizar uma detecção a tempo de um tratamento adequado. O tromboembolismo pulmonar consiste na obstrução da circulação arterial pulmonar (que transporta sangue que será oxigenado) por coágulos sanguíneos, geralmente oriundos da circulação venosa dos membros. Qualquer situação que gere fluxo vascular lento, lesão ou inflamação na parede do vaso ou aumento da coagulação sanguínea pode aumentar o aparecimento de trombos, que podem se soltar e entupir um vaso no pulmão – a embolia pulmonar.

As principais vítimas da trombose venosa profunda e da sua principal complicação, a embolia pulmonar, são as mulheres. Isso porque elas reúnem mais fatores de risco que os homens, como a gravidez, varizes e o uso de suplementos de estrogênio, comum em pílulas anticoncepcionais e na terapia de reposição hormonal durante a menopausa. Outros fatores de risco que devem ser considerados são: ficar muito tempo de repouso ou sentado, história familiar, problemas cardíacos, alguns tipos de câncer, fumo e obesidade. Se você se enquadra em um desses casos e sente uma súbita falta de ar, muitas vezes acompanhada de tosse e dor torácica, sem explicação cabível, procure um médico.