Teste de paternidade tem 99,99% de confiabilidade

Laboratório Exame oferece precisão e conforto na realização do teste

Exame_2611

Em casos em que há dúvidas sobre a paternidade, Dr. Gustavo Guida, geneticista do laboratório Exame, explica que atualmente existem diversas possibilidades para confirmar o parentesco com a criança. “Em situações mais críticas, em que a mãe ou o pai não são disponíveis para o teste, podemos utilizar o material dos avós, por exemplo. Mas o ideal é sempre que haja a presença dos pais e da criança para a realização do exame”, reforça o médico.

Dr. Gustavo esclarece que o teste de paternidade se baseia na análise de regiões do DNA nas quais ele é propenso a apresentar variações –  através do DNA que herdamos as características dos pais – extraído nas amostras de sangue dos supostos pai, filho e mãe. O exame tem uma taxa de confiabilidade de 99,99%.

“Cada um de nós tem um conjunto único dessas variáveis, representando uma mistura de nossos pais. Cada um deles contribuiu com metade do nosso material genético. O resultado é feito por meio de uma comparação entre as variáveis presentes no DNA. E para legitimar a paternidade, metade de todas as variáveis precisa ser compatível com cada um dos pais”, ressalta.

Preparação para o exame

O geneticista lembra que para a realização do teste existem algumas restrições e procedimentos a serem seguidos. “As pessoas que farão o exame através do sangue não podem ter passado por transfusão de sangue recente, ou transplante de medula óssea, pois isso pode alterar o resultado do teste. Nesses casos, costuma-se colher outro material – mas com resultados tão seguros quanto no sangue. Além disso, não é preciso fazer jejum no dia da coleta de sangue”, finaliza.

Você sofre com a enxaqueca?

Mudanças de hábitos e rotina podem ajudar a se livrar dela

Exame_1811

Existem cerca de 150 tipos de dores de cabeça e a enxaqueca é uma das mais frequentes entre elas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBCE), no Brasil 34 milhões de pessoas sofrem com enxaqueca, uma doença neurológica que afeta mais mulheres do que homens.

Os sintomas podem aparecer na adolescência e a tendência é que diminuam até os 40 anos, sendo a cefaleia, de intensidade moderada a forte, o mais comum. A dor é geralmente latente ou pulsátil, e ocorre mais frequentemente em um dos lados da cabeça, na fronte, olhos e têmporas. Algumas pessoas tendem a sentir dor em toda a cabeça ou até na região dos ouvidos. Atividades físicas rotineiras, muita luz e barulhos podem piorar a sensação.

Mas como saber se a dor de cabeça apresentada é uma dor “normal” ou sintoma de alguma doença? A dor é um mecanismo de defesa que indica que há algo anormal com o corpo. Porém, quem sofre com a enxaqueca geralmente sofre com uma dor exacerbada e pode ter náuseas, vômitos e tontura, por exemplo.

Apesar de a causa ser a predisposição genética, alguns gatilhos podem contribuir para que as crises comecem: estresse, jejum prolongado, insônia, alterações hormonais, fragrâncias fortes e excesso de chocolate, açúcar, café e bebidas alcoólicas.

Mudanças no estilo de vida podem ajudar a controlar as crises: não pule refeições, pois o jejum prolongado é um dos principais fatores desencadeantes. Reserve um tempo para o lazer e relaxe, já que a irritabilidade é comum às crises. Estabeleça horários para deitar e levantar e tente respeitá-los. Preste atenção nos alimentos que consome nos dias anteriores e nos dias de crise: eles podem estar associados à dor. Além disso, faça exercícios físicos regularmente e não deixe de procurar seu médico caso apresente estes sintomas.

Pílula anticoncepcional: mitos e verdades

Melhor a TPM? Diminui cólica menstrual? Posso tomar duas no mesmo dia?

1

Pílula anticoncepcional ainda é um assunto que suscita mitos e dúvidas. Respondemos algumas delas a seguir! E vale lembrar que apenas um especialista tem capacidade de orientar cada caso especificamente então, converse com o seu médico sempre que necessário!

Pílula melhora a TPM? Verdade. Quem sofre com as oscilações de humor causadas pela aproximação da menstruação, a famosa tensão pré-menstrual, pode experimentar melhoras com a pílula anticoncepcional. Ela tende a deixar o humor estável por equilibrar as taxas hormonais.

Posso tomar qualquer pílula? Mito. Por mais que pareça normal tomar a mesma pílula que uma amiga toma e adora, toda mulher que quer começar a usar anticoncepcional, ou quer mudar de marca, precisa de uma consulta a um ginecologista. O médico vai analisar uma série fatores, como doenças e histórico familiar antes de escolher a mais correta para cada paciente.

Pílula anticoncepcional protege contra DSTs? Mito. A única forma de prevenção de qualquer tipo de DST é o preservativo. O anticoncepcional apenas protege contra uma gravidez.

A pílula pode diminuir a cólica menstrual?  Verdade. A pílula diminui a liberação de substâncias que causam a dor durante o período de menstruação. Por isso, para mulheres que têm cólicas muito fortes, a pílula anticoncepcional pode ser receitada não apenas para evitar gravidez, como também para melhorar as dores.

Posso tomar duas pílulas seguidas se esquecer de tomar uma? Mito. O ideal é tomar a pílula diariamente sempre no mesmo horário. Caso esqueça da dose, tome até 12 horas depois do habitual. Após esse período, é aconselhado procurar um especialista se houver suspeita de uma gravidez.

Mulheres fumantes não devem tomar pílula anticoncepcional? Verdade. Cigarro e pílula não combinam, e fazer o uso dos dois aumenta em oito vezes o risco de trombose, principalmente em quem já tem pré-disposição para a doença. O ideal mesmo é abandonar o fumo!

Alguns fatores podem anular o efeito do anticoncepcional? Verdade. Remédios e álcool podem fazer com que a eficácia da pílula seja diminuída. Antibióticos e antidepressivos são alguns dos medicamentos que precisam de atenção, bem como o uso abusivo do álcool, que pode sobrecarregar o fígado.

Conte nutrientes, não calorias

Ao contar apenas calorias, a tendência é ter uma alimentação menos nutritiva

2

Um dos grandes erros cometidos por quem quer emagrecer é achar que contar as calorias dos alimentos é a única tarefa necessária. O problema é que ao pensarmos somente nas calorias, ignoramos também os nutrientes e vitaminas que os alimentos oferecem. Deste modo, muitas pessoas que estão em dieta acabam ficando com carência nutricional.

Embora a quantidade de calorias seja importante para a manutenção, perda ou ganho de peso, nem sempre ingerir alimentos pouco calóricos significa ter uma alimentação saudável. Uma comida ou bebida pode conter poucas calorias e ser rica em substâncias prejudiciais à saúde, como açúcares e gorduras, e ser pobre em fibras e vitaminas.

É importante estar atento à tabela nutricional de cada alimento, que mostra, além das calorias, os ingredientes e nutrientes que estão sendo ingeridos. Procure aqueles ricos em fibras, vitaminas A, B, C, E e K, além de minerais como cálcio, magnésio, zinco e ferro. Até mesmo algumas gorduras são importantes para o corpo, como as monoinsaturadas e as poli-insaturadas, que ajudam o coração, cérebro, imunidade e até estimulam a perda de peso.

E para essa equação de calorias e nutrientes resultar ainda mais positiva, adicione exercícios físicos a sua rotina!