Os fetos também sonham

Bebês sonham a partir do oitavo mês e bem mais que os adultos

Feto_corte

Se você é daqueles que acha que enquanto o bebê ainda está na barriga da mãe ele não faz nada além de chutar e dormir, temos uma novidade: bebês fazem muito mais que isso, inclusive, sonham. Estudos mostram que fetos realmente sonham, principalmente a partir do oitavo mês de gravidez, quando o desenvolvimento do bebê já está quase pronto.

Não se sabe ao certo com o que os fetos sonham, já que os nossos sonhos servem para processar e armazenar alguns fatos que aconteceram no dia a dia e que foram captados pelo nosso subconsciente. Como os bebês na barriga não veem nada, se supõe que os sons e sensações do que acontece no dia a dia da mãe e são transmitidos ao feto devem compor esses sonhos.

Acredita-se também que os fetos sonhem cerca de 5% a mais que os adultos: como o aprendizado diário do bebê, mesmo dentro da barriga da mãe, é muito maior que o nosso, ele precisa de mais tempo para assimilar o que ocorreu no dia. Além disso, é sabido que bebês também fazem outras coisas na barriga da mãe, como bocejar, soluçar, chorar e até mesmo sorrir.

Celular pode causar infertilidade

Radiação emitida pelos aparelhos afeta a qualidade do espermatozoide

Celular no bolso pode afetar fertilidade masculina

Quem nunca ouviu dizer que as radiações dos celulares podem fazer mal para as pessoas? Um estudo britânico da Universidade de Exeter descobriu que os espermatozoides, pelo menos, podem estar em risco quando o celular é guardado no bolso da calça. O estudo revisou dez pesquisas já feitas sobre a qualidade do esperma feitas por clínicas de fertilização e centros de pesquisa para chegar a esta conclusão.

As amostras analisaram a quantidade de espermatozoides, motilidade e quantos deles estavam vivos no esperma. Comparando com um grupo de controle, as amostras expostas à radiação de celulares apresentaram uma redução de 9% de espermatozoides vivos e de 8% em relação à motilidade deles, ou seja, a velocidade que se movem em direção ao óvulo.

Vale lembrar que o calor emitido por celulares e computadores também são prejudiciais aos espermatozoides. Por isso, além de evitar colocar o celular no bolso da calça, evite também deixar o notebook no colo. Opte por mesas, no caso do computador, e bolsos longe da virilha, no caso do celular.

12 horas de jejum?

Mitos e verdade dos exames laboratoriais

Cortes06

Horas em jejum, fazer exames doentes, tomar ou não tomar o remédio antes da coleta de sangue: conheça os mitos e verdade sobre os exames médicos:

Preciso ficar 12 horas em jejum para todos os exames? Não, isso só é preciso em dois exames: o de glicemia e o de colesterol e triglicérides. Nestes casos, as 12 horas são necessárias pois é o tempo que demora para o organismo metabolizar a glicose e a gordura. Procure fazer esses exames pela manhã, assim boa parte do seu jejum terá passado enquanto você dorme.

Suspender medicamentos é recomendado? O ideal é fazer o exame o mais longe possível da última dose, desta maneira, o remédio estará mais diluído no sangue. Em caso de exames com jejum, tome o medicamento apenas após a coleta do sangue. É importante perguntar ao médico se o remédio deve ser tomado normalmente ou não, pois em alguns casos, o exame é feito justamente para avaliar os efeitos do medicamento no corpo.

Estou doente, posso fazer o exame? Caso você esteja doente, não é aconselhado fazer exames, contanto que o teste não esteja sendo feito para diagnosticar tal doença. Muitas vezes o organismo está lutando contra a doença, o que pode alterar alguns resultados. O ideal é esperar a recuperação e, então, marcar o exame novamente.

Exames de fezes e urina precisam ser feitos no laboratório? Não, contanto que não seja o exame para diagnosticar uma infecção urinária. Neste caso, a urina deve ser fresca, pois o contato com o ar favorece a proliferação de bactérias. Em outros casos, você pode pedir o potinho e levá-lo para casa. Nos exames de urina, a amostra deve ser entregue até duas horas após a coleta. Já as fezes podem ser entregues até 24 horas depois de serem coletadas e precisam ser mantidas em refrigeração até a entrega no laboratório.

Para mais informações sobre o preparo necessário a cada tipo de exame, entre em contato com o nosso Atendimento ao Cliente (061) 4004-3883.

AIDS: 19 milhões de pessoas têm o vírus e não sabem

Taxa de contaminação vem caindo mundialmente, enquanto cresce no Brasil

Cortes01

Um relatório da ONU revelou que das 35 milhões de pessoas portadoras do vírus da AIDS, 54% delas não sabem que carregam o vírus. Os principais motivos que levam um paciente a não saber que é soropositivo são: difícil acesso ao exame, principalmente em países subdesenvolvidos, ou simplesmente o fato da AIDS ser uma doença silenciosa em seu estágio inicial, fazendo com que a pessoa não pense que exista a possibilidade de ter o vírus.

No Brasil, a situação é preocupante: o número de infecções, que acontecem principalmente em jovens de 15 a 24 anos, aumentou 11% de 2005 a 2013, enquanto no resto do mundo, a taxa de infecção apresenta queda. Outro índice que subiu no Brasil foi o de mortes por HIV, aumentando 7% no período.

Por outro lado, mundialmente a epidemia da AIDS vem diminuindo. Segundo o relatório, nos últimos três anos o número de novas infecções caiu 13%. Por causa do tratamento com medicamentos antirretrovirais, 76% das pessoas infectadas estão no estágio de supressão do vírus, ou seja, não podem transmitir a doença para outras pessoas. Por isso a importância de saber se o paciente tem o vírus ou não. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento, mais rápido o vírus pode entrar em supressão. De acordo com o relatório da ONU, se os processos de combate ao HIV seguirem crescentes até 2020, em 2030 a epidemia mundial de AIDS pode se aproximar do fim, evitando 18 milhões de novas infecções e 11,2 milhões de mortes.

Você sabe o que é fibromialgia?

Síndrome causa dor no corpo, insônia e cansaço

Cortes05

Sentir dor é sinal de que algo não está certo com o nosso corpo. Na maioria das vezes, ela é sintoma de alguma complicação. Mas, no caso da fibromialgia, a dor deixa de ser sintoma e passa a ser a doença. A síndrome causa dores musculares generalizadas, muitas vezes associadas ao cansaço, dormência nas mãos e nos pés, insônia e depressão psíquica.

Cerca de 5% da população mundial é acometida pela fibromialgia, sendo mais frequente em mulheres entre 35 e 50 anos. Apesar de ter sua causa ainda desconhecida, acredita-se que lesões muscoloesqueléticas sofridas ao longo da vida e traumatismos sejam responsáveis pelo surgimento da doença. Problemas emocionais e alterações hormonais também estariam associados a sua origem.

No caso de suspeita da doença, é importante buscar ajuda médica, pois a fibromialgia pode mascarar sintomas de outras doenças, como hipotireoidismo e Parkinson. O diagnóstico é clínico, sendo médicos reumatologistas e neurologistas os mais indicados para diagnosticar e tratar a fibromialgia.

O tratamento consiste em práticas moderadas de atividade física, fisioterapia para melhorar a dor e relaxar os músculos e uso de medicamentos como antidepressivos, analgésicos e relaxantes musculares, se houver necessidade. Há casos em que a acupuntura pode ser bem sucedida. Só inicie qualquer tipo de tratamento sob orientação médica.

Entenda o que é a miocardiopatia dilatada

Hábitos saudáveis podem tanto prevenir, como tratar a doença

Cortes04

Cansaço, dores no peito e falta de ar são alguns dos sintomas da miocardiopatia dilatada, doença na maioria das vezes silenciosa que impede o bombeamento do sangue. A complicação afeta o ventrículo esquerdo do coração, responsável por levar o sangue ao corpo todo. O ventrículo se torna dilatado e o músculo cardíaco se enfraquece, não conseguindo comprimir o sangue para fora do coração. Com o tempo, até atividades básicas como colocar roupa e escovar os dentes se tornam difíceis para quem tem a doença.

No início, a miocardiopatia dilatada pode ser assintomática. Quando os sintomas aparecem, a doença provavelmente já está em um estágio avançado. Genética, infecções, doenças autoimunes, álcool e até o uso crônico de corticoides podem causar a miocardiopatia dilatada, que só é diagnosticada depois de uma visita ao médico e uma série de exames, como radiografias, exames de sangue e eletrocardiogramas. Uma ressonância magnética também pode definir a causa da doença e como ela irá progredir, assim o médico saberá qual é o melhor tratamento. O Laboratório Exame disponibiliza em suas unidades os exames para detectar a doença.

Hábitos saudáveis, como praticar exercícios, alimentar-se bem e controlar a pressão arterial são meios de prevenir e tratar a doença. Medicamentos como os diuréticos podem ser usados para melhorarem a sensação de falta de ar (dispneia) e o edema dos membros inferiores. Os betabloqueadores têm apresentado resultados positivos no controle dos sintomas e na redução da mortalidade. Nos casos mais avançados, podem ser necessárias medidas mais invasivas, como a ressincronização cardíaca, em que um marca-passo ajuda o coração, ou o transplante do órgão.

Cinco dicas para as crianças se alimentarem de forma saudável

Criar uma boa relação com a comida é o primeiro passo

Cortes02

Com criança normalmente é assim: na hora das refeições, começa uma verdadeira batalha para que ela tenha uma alimentação equilibrada, com legumes, verduras, proteínas e grãos. Então pais e responsáveis buscam diversos truques para convencê-las a comer “ao menos um pouco de cada. Mas essas estratégias nem sempre alcançam o desejado. Listamos cinco dicas que podem ajudar a estimular a boa alimentação nas crianças e transformá-la num hábito:

1. Capriche na apresentação

Um prato bonito e divertido é um convite às refeições! Coloque mais cores no prato, com frutas amarelas e vermelhas na salada, ovos, batata palha e croutons. Vale, até mesmo, brincar com a comida, criando personagens com as verduras e legumes!

2. Cozinhe menos os legumes

Ao cozinhar legumes por menos tempo do que o comum, eles ficam mais crocantes e saborosos, além de ficarem mais bonitos por causa das suas formas e cores, o que atrai o paladar da criança.

3. Cozinhe com as crianças

Deixe seus filhos participarem do preparo das refeições, mesmo que seja com tarefas pequenas. Assim você pode ensiná-los sobre a importância de cada alimento e eles podem se divertir colocando a mão na massa.

4. Disfarce alimentos

Corte legumes bem finos e adicione a receitas de omelete, panqueca, almôndegas, molho de macarrão e até hambúrgueres. Por terem sido cortados finos eles passarão despercebidos pelas crianças.

5. Não faça ameaças

Dizer para a criança que se ela não comer pode ficar doente, ou falar que ficará de castigo apenas constrói uma relação de medo e insatisfação com a comida. Se a criança não quiser comer, converse com ela, mostre como o alimento é gostoso e peça para que ela ao menos experimente-o antes desistir.

Primeiros socorros: você sabe o que fazer em uma emergência?

Além de prestar ajuda, é importante manter a calma

Corte01

Quantas vezes assistimos a filmes em que vítimas são salvas por pessoas normais, que sabem exatamente o que fazer? Prestar primeiros socorros não é tão fácil quanto vemos na TV, mas se você souber o que fazer, pode ajudar a salvar uma vida.

Mostramos cinco situações emergenciais comuns e o que fazer em cada uma delas. E o mais importante: mantenha a calma, aja rápido e tenha segurança no que está fazendo.

Torções e fraturas

Na maioria dos casos, não dá para saber se é apenas uma luxação ou uma fratura. Por isso, não tente movimentar o membro, apenas imobilize-o, se puder. Não faça massagens e procure ajuda médica.

Dedo preso na porta

É importante manter a calma para que a vítima não se desespere. Coloque gelo no dedo atingido, para evitar hematomas. Não massageie a região e, em caso, de sangramento, evite apertar as laterais do dedo.

Desmaios

Se puder, tente evitar que a pessoa bata a cabeça no chão ao desmaiar. Uma vez no chão, a mantenha deitada, com as vias aéreas livres e desobstruídas. Leve a vítima ao atendimento médico ou chame por auxílio imediatamente.

Cortes profundos

Limpe com água corrente, mesmo que o corte não esteja sujo. Estanque o sangue com uma gaze ou pano limpo e vá imediatamente ao pronto socorro. Em nenhuma hipótese coloque algo na ferida.

Mordida de cachorro

Até mesmo os animais mais dóceis podem morder. No caso de uma mordida de cachorro, seja ele conhecido ou não, a primeira providência deve ser lavar a ferida com água e sabão. Se houver lacerações, com grande perda de sangue, procure um atendimento médico, pois pode ser necessário levar pontos. Também é indicado a ida ao pronto socorro para fazer exames e tomar vacinas, caso seja necessário.